Telescópio gigante será construído no Chile e inaugurado 2021. Instituição possui as "melhores instalações de astronomia do mundo" disse Sério Rezende.

O Ministério da Ciência e Tecnologia assinou um acordo para pesquisa astronômica no hemisfério sul com o Observatório Europeu do Sul (ESO), na quinta-feira (29/12/2010), em Brasília. O convênio, que custará cerca de R$ 555 milhões em 11 anos, permite que o país participe da construção do futuro superobservatório European Extremely Large Telescope (E-ELT) de 42 m, que deve ser inaugurado em 2021, no Chile.

Na cerimônia de assinatura, o então ministro Sergio Rezende afirmou que o acesso a ferramentas mais modernas será benéfico para a evolução das pesquisas brasileiras. "A ESO é uma organização multilateral que até agora só tinha como membros os países europeus. A entidade é proprietária das melhores instalações de astronomia do mundo", disse.

Diretor geral do ESO Tim de Zeeuw e ministro Sergio Rezende assinam acordo (Foto: Paulo Aguiar / MCT)

De acordo com o Ministério da Ciência e Tecnologia, além da construção do E-ELT, o Brasil deve participar dos outros dois principais projetos do ESO: o Giant Magellan Telescope (GMT) e o Thirty Meter Telescope (TMT).

O Brasil é o primeiro país não-europeu a participar do ESO, que conta com 14 nações da Europa e tem orçamento anual de € 135 milhões. Embora as instalações para a construção do telescópio estejam no Chile, o país serve apenas de abrigo devido às melhores condições climáticas e geográficas para o estudo da astronomia.

Anúncios