Projeto HiROS implica construção de satélites de observação. Alguns países como França tentaram fazer projeto fracassar.

Estados Unidos e Alemanha desenvolvem conjunta e secretamente, sob a cobertura de atividades comerciais, novos satélites espiões, apesar da declarada oposição dos franceses, segundo telegramas diplomáticos obtidos pelo site WikiLeaks e publicados nesta segunda-feira (03/01/2011) pelo jornal norueguês Aftenposten.

O projeto, batizado HiROS, implica a construção de um número indeterminado de satélites de observação de alta resolução, capazes de distinguir objetos de 50 cm e de enviar as imagens à Terra muito mais rapidamente que os atuais satélites ou, mais ainda, tirar fotos infravermelhas durante a noite.

Oficialmente destinado para fins ambientais civis – 70% da capacidade dos satélites seriam vendidas a atores privados –, o programa de fato estaria sob o controle total dos serviços secretos alemães (BND) e da agência espacial alemã (DLR).

As notas da embaixada dos Estados Unidos em Berlim, citadas pelo Aftenposten, se referem ao período de fevereiro de 2009 a fevereiro de 2010 e nelas se pode observar que alguns países tentaram fazer fracassar o projeto, particularmente a França.

Mas a oposição francesa foi ignorada pelos dirigentes alemães, que, segundo as notas, estariam fartos de serem "manipulados pela França", cujas práticas comerciais duvidosas e políticas de subvenções ocultas eles questionam.

Oficialmente, França e Alemanha estão associadas no programa de imagem espacial MUSIS (multinational space-based system) junto com a Bélgica, Espanha, Grécia e Itália.

Contatada pela agência de notícias France Presse, a embaixada dos Estados Unidos em Oslo não quis comentar as informações.

Anúncios