Alemão ROSAT pode causar "chuva" de até 1,6 tonelada. Serviço dos EUA para monitorar objetos espaciais ainda não lista ameaça.

Depois do anúncio da queda do satélite UARS, da NASA, o satélite alemão desativado ROSAT pode ser outro "defunto" espacial a atingir a Terra entre outubro e novembro de 2011.

Lançado ao espaço em 1990, o satélite da DLR, agência aeroespacial alemã, foi usado durante oito anos para observações de estrelas, nebulosas e galáxias com raios X.

Segundo a NASA, a chance de algum pedaço do UARS causar dano ou machucar alguém era de uma em 3.200. No caso do Rosat, esta probabilidade seria de uma em 2.000.

O risco está nos painéis que equipam o aparelho, produzidos para suportar as altas temperaturas que poderiam danificar as operações dos cientistas durante a década de 1990, quando o equipamento funcionou.

A agência espacial alemã estima que cerca de 30 pedaços do satélite podem atingir o solo terrestre, com um total de 1,6 tonelada. Outros 800 quilos devem ser "queimados" durante o retorno do satélite à atmosfera do planeta.

Apesar do alerta, o serviço estadunidense de monitoramento de objetos espaciais que entram novamente na atmosfera terrestre ainda não lista a data possível da queda do ROSAT, já que ainda não está claro quando o satélite alemão entrará na atmosfera.

Anúncios