Presidente mencionou revisão de programa espacial. Falhas incluem sonda interplanetária que não conseguiu deixar a órbita da Terra.

Dmitry Medvedev, presidente russo, levantou neste sábado (27/11/2011) a possibilidade de abertura de um processo criminal sobre os percalços espaciais do país, após uma série de lançamentos fracassados que envergonharam a Rússia e preocuparam o mundo.

No início do mês, uma sonda projetada para trazer de volta amostras de Fobos, lua de Marte, não passou da órbita da Terra, deixando a primeira missão interplanetária da Rússia em anos com quase nenhuma chance de sucesso. Ao invés de seguir a trajetória para Marte, a sonda ficou presa na órbita da Terra. Após ser considerada perdida no espaço, a agência Espacial Europeia (ESA) conseguiu estabelecer contato com sonda no dia 23 de novembro.

A falha ocorreu menos de três meses após uma missão de carga que levava alimento e combustível para a Estação Espacial Internacional (ISS) ter queimado na atmosfera, logo após decolar. Como medida de precaução, a Rússia suspendeu os lançamentos dos foguetes Soyuz, Proton e dos blocos aceleradores Briz-M.

"Os recentes fracassos são um forte golpe à nossa competitividade. Não significa que algo fatal aconteceu, significa que precisamos executar uma revisão detalhada e punir os culpados", disse Medvedev a jornalistas em comentários televisionados.

"Eu não estou sugerindo colocá-los contra a parede como sob o regime de Josef Vissarianovich (Stálin), mas punir seriamente tanto financeiramente ou, se a falha for óbvia, poderia ser uma punição disciplinar ou mesmo criminal", disse ele.

Medvedev fez recentemente apelos semelhantes por punições rigorosas após desastres atribuídos a corrupção por descuido e problemas com a infraestrutura enferrujada da Rússia, como um barco que afundou em julho, que matou 122 pessoas.

Fonte: Último Segundo

Anúncios