VFTS 102 gira 300 vezes mais rápido que o Sol. Astro teria ido expulso de sistema binário.

Astrônomos ligados ao Observatório Europeu do Sul (European Sounthern Observatory, ESO) descobriram a estrela que gira mais rápido. O astro se chama VFTS 102 e tem uma rotação de 2 milhões de quilômetros por hora – velocidade 300 vezes superior à do Sol ao fazer o mesmo movimento – e está próxima de ser desfeita por ação das forças centrífugas.

A estrela foi revelada por observações com o Telescópio Muito Grande (Very Large Telescope, VLT), um dos principais instrumentos telescópicos do mundo, situado no Observatório do Monte Paranal, no Chile. Os cientistas pesquisavam a região da Nebulosa da Tarântula, uma formação de poeira e gás localizada na Grande Nuvem de Magalhães, uma das galáxias satélites da Via Láctea.

VFTS 102 está a uma distância de 160 mil anos-luz, tem uma massa 25 vezes maior que a do Sol e chega a brilhar 100 mil vezes mais. Sua velocidade ao percorrer o espaço também impressiona os especialistas, que acreditam que o astro possa ter sido ejetado de um sistema de estrelas duplas.

Ilustração da estrela de rotação mais rápida conhecida, em azul (Foto: G. Bacon/ESA/NASA)

"A extraordinária velocidade de rotação aliada ao movimento incomum relativamente às estrelas situadas na sua vizinhança, levou-nos a perguntar se esta estrela não teria tido um começo de vida incomum. Ficamos desconfiados." explica autor principal do artigo científico, Philip Dufton, da Universidade Queen, na Irlanda do Norte.

Segundo esta hipótese, uma das estrelas teria explodido sob a forma de uma supernova, expulsando a companheira VFTS 102 da região. A prova pode estar na presença de resquícios de supernova próximos à região observada pelos cientistas na Grande Nuvem de Magalhães, além de um pulsar – uma estrela muito pequena e com muita massa, que poderia ter sido originada após a explosão.