EUA devem continuar dependendo de russos até 2017 para levar astronautas a estação orbital. Agência passará a adotar contratos mais flexíveis e baratos.

Cortes orçamentários em um programa destinado ao desenvolvimento de "táxis espaciais" devem fazer com que os EUA continuem dependendo da Rússia até 2017 para levar astronautas à Estação Espacial Internacional, disse um dirigente da NASA na quinta-feira (17/12/2011).

Mas a reformulação do programa, que busca uma alternativa comercial aos recém-apostados ônibus espaciais, tem um lado positivo: a NASA vai abandonar os contratos tradicionais, com preços pré-fixados, e passará a adotar parcerias mais baratas e flexíveis.

"É um pequeno passo para o ‘Commercial Crew’", disse Michael Gold, advogado da empresa Bigelow Aerospace, referindo-se ao programa da NASA para o desenvolvimento do táxi espacial. "E um passo gigantesco para o bom senso."

A alteração foi motivada pelo fato de a NASA ter reduzido à metade a solicitação orçamentária para o programa no ano fiscal, que começou em 1º de outubro (o valor ficou US$ 850 milhões), e pela determinação da agência em manter pelo menos dois projetos de táxi espacial sendo desenvolvidos para uma futura operação.

"Gostaríamos de manter dois fornecedores no mínimo, na verdade mais", disse o administrador-associado da NASA, Bill Gerstenmaier, a jornalistas. "Achamos que a competição é algo crucial."

Fonte: Último Segundo

Anúncios