Moore apresentou programa de TV por mais de 50 anos. Entre seus maiores feitos está um mapeamento lunar.

O astrônomo britânico Patrick Moore, apresentador do programa "Sky at Night", da BBC, faleceu hoje (09/12/2012) por volta das 12h25 locais (9h25 em Brasília) em sua casa, em Selsey, West Sussex aos 89 anos de idade.

Após passar a última semana no hospital, ele estava convencido de que nenhum tratamento seria satisfatório o bastante e era seu desejo passar seus últimos dias em casa – onde ele faleceu na companhia de seus amigos mais próximos e seu gato Ptolemy.

Sir Patrick Moore (Foto: Getty Images / Via The Guardian)

Autor de dezenas de livros de astronomia e músico talentoso, Moore apresentou o programa por mais de 50 anos, tornando-se o apresentador de mais tempo em um programa na história da TV e inspirando gerações de admiradores dos céus.

Sua aparência "antiquada" e o estilo de apresentar a astronomia o tornaram muito querido pelos espectadores.

Além da popularização da astronomia, outro grande feito de Moore foi ajudar a mapear a Lua – mapeamento que foi utilizado por estadunidenses e russos em seus programas espaciais.

(Foto via MSN)

Nos últimos anos, Moore serviu de inspiração para a nova geração de astrônomos e conseguia palestrar e fazer grandes trabalhos mesmo com a saúde debilitada.

Há algumas semanas, ele fez uma pausa pois seu corpo estava muito fraco lutando contra uma infecção. Ainda assim, conseguiu continuar apresentando o programa. A equipe da BBC já planejava algo especial para sua despedida da TV para março do ano que vem, quando completaria 90 anos.

Brian May, guitarrista do Queen e PhD em astrofísica, que escreveu um livro junto com Sir Patrick Moore o descreveu como um amigo querido e "um tipo de pai" para ele. Segundo o guitarrista, Moore será sempre lembrado por todos aqueles que o consideravam um "tio carinhoso", amavam o humor e a clareza de seus textos e gostavam de sua persona excêntrica em medo da vida pública.

Para Sérgio Sacani, editor do CiencTec, "Sir Patrick Moore será insubstituível, nunca haverá ninguém como Sir Patrick Moore e nós tivemos sorte de termos convivido com um."

Fontes: Reuters e CiencTec

Anúncios