Fenômeno é normal e faz parte do ciclo solar. Polo norte já perdeu boa parte de polaridade e sul o seguirá antes da inversão, dizem cientistas.

Segundo a NASA, em três ou quatro meses o campo magnético solar se inverterá. Apesar da notícia soar apocalíptica, não devem haver transtornos na Terra. Mesmo assim, provavelmente também observaremos o fenômeno do aparecimento de inverdades em sites mistificadores.

A inversão faz parte do ciclo de atividades solares, que dura cerca de 11 anos. Em determinado ponto do ciclo, o campo magnético se enfraquece até chegar a zero. Logo depois, ele é registrado com polaridade invertida.

Polos magnéticos se enfraquecerão até se inverterem; fenômeno é normal (Foto: arquivo BdA)

O fenômeno já aconteceu inúmeras vezes e continuará acontecendo sem complicações para nosso planeta.

Esta inversão marcará o ponto médio do 24º ciclo solar registrado, metade do chamado máximo solar. Este último tem sido um dos mais fracos dos últimos 100 anos.

"Parece que estamos há não mais do que três a quatro meses de uma inversão de campo completa. Esta mudança terá um efeito cascata em todo o Sistema Solar", disse o físico solar Todd Hoeksema, da Universidade de Stanford.

Um dos efeitos são as correntes elétricas que permeiam o Sistema Solar. Ao se aproximarem da Terra, as partículas carregadas emitidas pelo Sol são capturadas pelo campo magnético de nosso planeta e levados para seus polos. Quando entram em contato com nossa atmosfera, provocam as auroras

O aumento na atividade solar também nos proporciona uma proteção maior contra raios cósmicos. Emitidos por outras estrelas ou por eventos violentos, como supernovas, em outras regiões da galáxia, eles encontrarão uma barreira mais difícil de quebrar.

Cientistas apontam que o polo norte solar já perdeu a maior parte de sua polaridade e o polo sul deverá segui-lo. Assim, os polos serão invertidos em poucos meses e se iniciará a segunda metade do ciclo solar.

Repetindo: sem qualquer cataclismo ou ameaça contra nosso planeta.

 

Anúncios