Pouso ocorreu no Cazaquistão. Importantes pesquisas foram conduzidas e diferentes cargueiros foram recebidos por tripulação.

Três tripulantes da Estação Espacial Internacional (International Space Station, ISS) retornaram ontem (10/9/2014) após 169 dias de pesquisa tecnológica e científica, incluindo uma pesquisa recorde de 82 horas em uma única semana, que ocorreu em julho.

A nave russa Soyuz TMA12M com o comandante da Expedition 40 Steve Swanson, da NASA, e os engenheiros de voo Alexander Skvortsov e Oleg Artemyev, da Agência Espacial Federal Russa (Roscosmos), tocou o solo a sudeste da remota cidade de Dzezkagan, no Cazaquistão às 23h23 de Brasília, 8h23 da manhã do dia 11 no horário local.

Equipes de apoio terrestre no local de pouso da Soyuz TMA12M (Crédito: Bill Ingals / NASA)
Equipes de apoio terrestre no local de pouso da Soyuz TMA12M (Crédito: Bill Ingals / NASA)

Durante sua estadia na estação, a tripulação participou de várias pesquisas focadas em sensoriamento remoto da Terra, comportamento humano e fisiologia de ossos e músculos. Um dos pontos chaves foi o gerenciamento da saúde em viagens espaciais longas – uma vez que a NASA e a Roscosmos estão preparando dois tripulantes para passar um ano na ISS em 2015.

O estadunidense e os dois russos orbitaram a Terra mais de 2.700 vezes, viajaram mais de mais de 115,4 milhões de quilômetros e receberam cinco naves cargueiras.

Duas naves russas Progress se acoplaram à ISS em abril e Julho levando toneladas de suprimentos. O quinto e último Veículo de Transferência Automatizado (Automated Transfer Vehicle, ATV), da AgÊncia Espacial Europeia (European Space Agency, ESA) também chegou à ISS em julho, sendo batizada em homenagem ao físico belga Georges Lemaitre, considerado pai da teoria do Big Bang. A SpaceX lançou uma nave Dragon em abril – a terceira de pelo menos 12 missões de suprimento comerciais planejadas. Em julho a nave Cygnus, da Orbital Sciences, completou a terceira de pelo menos oito missões marcadas até 2016 sob o contrato de serviços de ressuprimento comerciais (Commercial Resupply Services) da NASA.

Swanson realizou uma caminhada espacial para substituir uma caixa de relés do computador de backup que falhou inesperadamente. Skvortsov e Artemyev conduziram duas caminhadas espaciais totalizando 12 horas e 34 minutos.

A ISS é mais que uma plataforma de pesquisa científica – também serve para demonstrar novas tecnologias. Mesmo tarefas rotineiras, como monitorar e operar o sistema de remoção de dióxido de carbono, fornece dados importantes para a próxima geração de sistemas de apoio à vida. A remoção de dióxido de carbono de compartimentos pressurizados da estação acabaram funcionando de forma diferente do previsto por testes no solo.

A Expedition 40 também viu a chegada do experimento Haptics-1, parte de um esforço para desenvolver tecnologias que poderiam ajudar um astronauta em órbita a controlar um robô enquanto ele explora um alvo, com um asteroide ou Marte, durante futuras missões humanas de exploração.

Da esquera, Artemyev, Skvortsov e Swanson sendo examidados por uma equipe médica após serem tirados da nave Soyuz (Crédito: NASA TV)
Da esquera, Artemyev, Skvortsov e Swanson sendo examidados por uma equipe médica após serem tirados da Soyuz (Crédito: NASA TV)

Foi a primeira missão de Artemyev, o segundo de Skvortsov, fazendo com que ele acumulasse 345 dias no espaço. Tendo completado sua terceira missão na ISS, Swanson passou um total de de 196 dias no espaço.

Agora, a Expedtion 41 está na ISS: com Max Suraev, da Roscosmos, no comando, e Reid Wiseman, da NASA, e Alexander Gerst, da ESA, como engenheiros de voo. Em duas semanas, Barry Wilmore, da NASA, Alexander Samokutyaev e Elena Serova, da Roscosmos, chegaram à plataforma orbital. Serova será a primeira russa abordo da ISS. Eles serão lançados do Cazaquistão no dia 25.

Anúncios