Sonda ficou sem combustível para corrigir órbita. Descobertas da MESSENGER mudaram nossa visão de Mercúrio.

Após mais de três anos orbitando Mercúrio, a sonda MESSENGER, da NASA, deve cair no planeta hoje (30/04/2015). O impacto não será visível da Terra.

A NASA espera que a sonda caia às 16h26 de Brasília, mas pode haver combustível suficiente para mais uma órbita de oito horas antes do impacto com a superfície, a 14 mil km/h – que deve criar uma cratera de 16 metros.

A MESSENGER, com três metros entre cada extremidade de seus painéis solares, foi a primeira sonda a orbitar Mercúrio. Partiu da Terra em 3 de agosto de 2004, passou duas vezes por Vênus e três por Mercúrio antes de entrar em órbita, em 18 de março de 2011.  “Depois de 10 anos, a nave espacial vai terminar sua vida vida como mais uma cratera na superfície de Mercúrio”, disse a equipe da MESSENGER pelo Twitter.

Apenas a Mariner 10, também da NASA, havia visitado Mercúrio, nos anos 1970, mas sem entrar em órbita.

Mas, nas últimas semanas, a nave de US$ 450 milhões ficou sem combustível, mas seus controladores conseguiram utilizar uma reserva de gás helio – quem nem deveria ser usado como combustível – para correção de órbita. Os cientistas esperam reunir informações da sonda até 15 minutos antes do impacto perto do polo norte do planeta.

“Temos nos concetrando em obter o máximo de dados”, declarou Sean Solomon, pesquisador líder na Universidade Columbia, em Nova York. “Teremos anos para pensar sobre o significado das medições.”

Admirável mundo novo  Foram mais de 4 mil órbitas e muitas descobertas sobre a superfície e a composição interna do planeta, como depósitos vulcânicos que ajudaram a explicar o passado e a formação de Mercúrio. A sonda também detectou potássio e enxofre na superfície, voláteis que deveriam ter evaporado devido às temperaturas: média de 167°C e máximas diurnas de 427°C.

Uma das maiores descobertas ocorreu em 2012: uma camada espessa de gelo nas regiões polares, fornecendo “forte apoio à hipótese de que Mercúrio abriga água congelada e outros materiais voláteis abundantes em suas crateras polares permanentemente na sombra”, decclarou a NASA.

“Pela primeira vez, cientistas começaram a ver claramente um capítulo na estória de como os planetas internos, incluindo a Terra, adquiriram água e alguns dos blocos químicos de construção da vida”, disse a agência em uma declaração. Cientistas acreditam que Mercúrio obteve sua água com o impacto de cometas e asteroides ricos em voláteis.

“Pela primeira vez na história, agora temos conhecimento real sobre o planeta Mercúrio, que se mostra um mundo fascinante como parte de nosso diverso sistema solar”, disse John Grunsfeld, administrador associado do Diretório de Missões Científicas da NASA. Segundo ele, cientistas continuarão analisando dados da MESSENGER por anos.

Duas sondas nipo-europeias partirão rumo a Mercúrio em 2017. Elas devem entrar na órbita do planeta em 2024. A missão é chamada BepiColombo, em homenagem a um cientista italiano que trabalhou na Mariner 10.

Saiba mais sobre a MESSENGER e Mercúrio em “O mensageiro”.

Anúncios