Satélite fornecerá comunicações militares estratégicas e tem papel fundamental em plano de acesso a banda larga. Lançamento foi feito por foguete Ariane 5; satélite sul-coreano também estava a bordo.

Nesta quinta-feira (04/05/2017), às 18h50 de Brasília, foi lançado o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), o primeiro satélite estritamente operado por brasileiros. O lançamento aconteceu a partir do Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa. O satélite sul-coreano KOREASAT-7 também estava abordo do foguete.

O veículo lançador Ariane 5 decolou do complexo de lançamento ELA 3 na missão VA236, no quarto lançamento da Ariane 5 neste ano e 78ª missão bem sucedida consecutiva. Também foi a sétima missão da Arianespace, operadora do lançador, a carregar dois satélites construídos pela Thales Alenia Space.

Lançamento do Ariane 5 levando os satélites SGDC e KOREASAT-7 ao espaço (Foto via SpaceFlight Insider)

Com atuação importante no Brazil desde 1985, a Arianespace lançou com êxito todos os 11 satélites de telecomunicação usados pelo país através da Embratel e da Star One, subsidiária pertencente à Embratel. Os últimos (além do SGDC) foram SKY Brasil 1, em fevereiro de 2017, e o Star One D1, em dezembro de 2016.

O lançamento estava marcado para 23 de março, mas uma série de protestos fechou acessos rodoviários ao centro de lançamento, impedindo que as operações prosseguissem. Após negociações com o governo francês, a situação tornou-se estável o suficiente para retomar o cronograma de lançamento.

O SGDC é fruto de uma parceria entre o Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o Ministério da Defesa. Com peso de lançamento de 5.735 kg e 5 metros de altura, o equipamento ficará posicionado a uma distância de cerca 36 mil quilômetros da superfície da Terra, a 75° Oeste, cobrindo todo o território brasileiro e o oceano Atlântico, com vida útil de até 18 anos. A Telebras S.A. atua como operadora do SGDC, em um contrato com a Visiona Tecnologia Espacial S.A.

Comunicações  O satélite adquirido pela Telebras tem 57 transponders e terá uso dual: vai atuar tanto na área civil quanto militar. A banda Ka será utilizada para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), permitindo acesso à conexão de banda larga em todo o país. Segundo Kassab, já há parcerias firmadas com outros ministérios para utilizar o satélite em melhorias na vida da população, especialmente nas áreas de saúde e educação.

Animação do SGDC no espaço (Foto via Arianespace)

 

A banda X, que corresponde a 30% do equipamento, será de uso exclusivo das Forças Armadas, possibilitando comunicações militares e governamentais mais seguras. Para Jungmann, segurança nas comunicações é um fator decisivo na soberania e na independência do país. Ele também destacou que, apesar de depender de dotação orçamentária, já está sendo negociada a continuidade do projeto. “Existe uma decisão da Presidência da República de que esse projeto deve continuar. E ele vai continuar.”

O Ministério da Defesa investiu R$ 500 milhões para utilização da banda X. O projeto todo recebeu R$ 2,7 bilhões em investimentos.

No máximo até o dia 16 de junho, o controle do satélite passará para o Brasil. Antes disso, o SGDC leva entre 7 e 12 dias para entrar em órbita geoestacionária e mais 20 a 30 dias para realização de testes orbitais.

Independência  Com o lançamento do SGDC, o Brasil passará a fazer parte do seleto grupo de países que contam com seu próprio satélite geoestacionário de comunicações, reduzindo a necessidade de alugar equipamentos de empresas privadas (por vezes estrangeiras), o que vai gerar uma economia significativa aos cofres públicos e maior segurança em suas comunicações.

No Comando de Operações Espaciais, autoridades acompanham lançamento da missão VA236, da Arianespace, levando o SGDC ao espaço (Foto: Agência Força Aérea / FAB)

O Presidente da República, Michel Temer, o Ministro da Defesa, Raul Jungmann, o Ministro de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Gilberto Kassab, o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato, e o Presidente da Telebras, Antônio Loss, assistiram ao lançamento por nas dependências do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), da Força Aérea Brasileira (FAB) em Brasília, DF.

Após o lançamento, Temer afirmou que o SGDC ajudará o país a “democratizar” o sistema digital e que o lançamento representa a entrada do Brasil em uma área de modernidade e avanço tecnológico. “Esta é uma vitória do Brasil”, disse. Segundo o Tenente-Brigadeiro Rossato, o SGDC eleva a questão espacial brasileira a um novo e mais elevado patamar.

Para o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Braga Coelho, o lançamento do satélite eleva a sensibilidade e o sentimento do povo brasileiro, que ao ter suas necessidades atendidas exigirá o fortalecimento do Programa Espacial Brasileiro.

“O desenvolvimento e o lançamento do satélite com a participação de técnicos brasileiros são fatores que irão contribuir futuramente para a construção de novos artefatos, utilizando a absorção e transferência de tecnologia adquirida no projeto SGDC, com a participação da indústria nacional”, afirmou ele.

“O SGDC irá assegurar a independência e a soberania das comunicações da defesa nacional. Além disso, atenderá às necessidades do povo brasileiro, com a disseminação completa da internet em todo o território nacional, principalmente em regiões onde as pessoas não têm acesso”, finalizou.

Reportagem da FAB sobre o lançamento do SGDC, acompanhado por autoridades no Comando de Operações Espaciais (Vídeo: FAB / YouTube)

O player não funciona?

A Arianespace fornece serviços de lançamento para todos os tipos de satélites e todas as órbitas. Já lançou mais de 550 satélites desde 1980, usando seus lançadores Ariane, Soyuz e Vega a partir de Kourou, na Guiana Francesa, e Baikonur, no Cazaquistão. A sede da empresa fica em Evry, próximo a Paris, e há instalações técnicas em Kourou, além de escritórios locais em Washington, Tóquio e Singapura. A empresa é uma subsidiária da Airbus Safran Launchers, que detém 74% do capital em ações, sendo o restante de outros acionistas da industria europeia de lançadores.

KOREASAT-7  Também estava abordo o terceiro satélite lançado pela Arianespace para a operadora sul-coreana ktsat, subsidiária da KT Corp, a maior provedora de serviços de telecomunicações e mídia do país. Com 30 transponders de banda Ku, além de banda Ka, posicionado a 116° Leste o satélite fornecerá uma ampla gama de transmissões de dados e vídeo, incluindo acesso à internet, transmissão de TV direct-to home (DTH), comunicações governamentais e conectividade à redes VSAT para estender serviços a áreas isoladas.

A cobertura oferecida pelo satélite também inclui Indonésia, Filipinas, Índia e a Península Indochinesa. Com peso de lançamento de 3.680 kg, sua vida útil excede 15 anos.

Começando com o lançamento dos primeiros satélites da Coreia do Sul – KITSAT-1A, 1992, em KITSAT-2, 1993 – a Arianespace tornou-se uma importante parceira do programa espacial do país. Mais da metade de seus satélites geoestacionários foram lançados pela empresa europeia. KOREASAT-3, 1999, COMS-1 e KOREASAT-6, 2010 também foram lançamentos da Arianespace.

Já estão fechados mais dois lançamentos para o Instituto de Pesquisa Aeroespacial Coreano: GEOKOMPSAT-2A e -2B, planejados para 2018 e 2019 respectivamente.

Animação do KOREASAT-7 no espaço (Foto via Arianespace)

Thales Alenia Space  Este lançamento foi o sétimo da Arianespace carregando dois satélites condtruídos pela Thales Alenia Space. O SGDC e o KOREASAT-7 foram construídos nas instalações em Cannes e Toulouse, na França, com as plataformas Spacebus 4000C4 e 4000B2, respectivamente.

As duas empresas desenvolveram uma parceria sólida desde o lançamento do Meteosat-F2, em 19 de junho de 1981. Os dois satélites lançados ontem são os 147º e 148º da Thales Alenia Space a serem lançados pela Arianespace. Mais oito devem ser lançados nos próximos anos.

“Com este segundo lançamento com êxito neste ano pelo Ariane 5 e a 78ª missão bem sucedida consecutiva por nosso lançador pesado, a Arianespace orgulhosamente dá aos nossos clientes brasileiros e sul-coreanos os benefícios de nossos excelentes serviços de lançamento”, disse Stéphane Israël, CEO da Arianespace, pouco após o anuncio da inserção dos satélites em órbita.

“Estamos honrados pela confiança expressada hoje pela Visiona Tecnologia Espacial, que nos escolheu para seu primeiro satélite em nome da operadora Telebras e o governo brasileiro; bem como pela da operadora sul-coreana ktsat, de quem lançamos satélites desde 1999.”

Transmissão ao vivo do voo VA236 pela Arianespace (Vídeo: Arianespace / YouTube)

O player não funciona?

“Parabéns a todos os nossos parceiros por este 92º lançamento de um Ariane 5: Thales Alenia Space, que construi ambos os satélites lançados no mesmo Ariane pela sétima vez desde 1991; nosso acionista primário, Airbus Safran Launchers, e toda a industria europeia de lançadores pela confiabilidade e a disponibilidade deste lançador pesado; ESA, que fornece apoio essencial ao programa Ariane; CNES/CSG, nossas empresas de segmento terrestre e todo o pessoal do centro espacial, que continuam a trabalhar ao nosso lado enquanto vamos de sucesso a sucesso. E, claro, gostaria de parabenizar todos da Arianespace por este lançamento bem sucedido, o quarto do ano.”

Anúncios