Falece John Young, aos 87 anos

Young voou em seis missões, passando 835 horas no espaço. Astronauta caminhou na Lua em 1972 e comandou primeira missão do Ônibus Espacial, em 1981.

O astronauta John Young, que caminhou na Lua na Apollo 16 e comandou o primeiro voo do Ônibus Espacial, faleceu nesta sexta-feira (05/01/2018) por complicações de um quadro de pneumonia. Ele tinha 87 anos.

“Hoje, a NASA e o mundo perderam um pioneiro”, declarou Robert Lightfoot, Administrador da NASA. “A lendária carreira do astronauta John Young abrangeu três gerações do voo espacial; ainda nos erguemos sobre seus ombros ao olharmos para a próxima fronteira humana.”

“John era um daquele grupo de primeiros pioneiros espaciais cuja bravura e dedicação provocaram os primeiros grandes feitos da nossa nação no espaço. Mas, não satisfeito com isso, suas contribuições práticas continuaram muito depois do último de seus seis voos espaciais – um recorde mundial na época de sua aposentadoria do cockpit.”

68222main_young_current_portrait_full
Retrato oficial de astronauta de John Young (Foto: NASA)

“Seria difícil exagerar no impacto que John Young teve no voo espacial tripulado”, disse a ex-astronauta Ellen Ochoa, Diretora do Centro Espacial Johnson. “Além de suas bem conhecidas e revolucionárias seis missões por três programas, ele trabalhou incansavelmente por décadas para compreender e mitigar os riscos que os astronautas da NASA encaram. Ele nos apoiava.”

Antes da NASA  Young nasceu em San Francisco, Califórnia. A família se mudou para Estado da Geórgia e depois para a Flórida, onde ele viveu a maior parte de sua infância com seu irmão mais novo.

Quando garoto, seus passatempos favoritos eram construção de modelos de aviões – a primeira manifestação de sua paixão por aeronáutica – e leitura.

“Meu avô me ensinou a ler”, contou Young. “Li a enciclopédia quando tinha cinco anos.”

Seu pai, um engenheiro civil, foi seu exemplo. Young formou-se na Orlando High School e obteve um diploma em engenharia aeronáutica pela Georgia Tech, onde formou-se com as mais altas honras em 1952.

561110main_s65-19228_full
Young na missão Gemini 3 (Foto: NASA)

Logo depois, entrou para a Marinha e foi enviado para o treinamento de voo após um anos de serviço em um destróier. Ele pilotou caças por anos e completou o treinamento de piloto de teste e serviu três anos no Centro de Testes Aéreos da Marinha, onde atendeu a um chamado especial.

Em 1961, quando ouviu a proposta ousada do então presidente John Kennedy – pousar um homem na Lua e trazê-lo de volta à Terra em segurança antes do fim da década -, ele sabia exatamente o que fazer.

“Achei que retornar com segurança à Terra parecia uma boa ideia”, disse.

Gemini  A carreira brilhante de John Young na NASA começou em 1962, quando foi selecionado entre centenas de jovens pilotos para a segunda turma de astronautas da agência, conhecida como “The New Nine”.

Em março 1965, fez seu primeiro voo espacial: a Gemini 3, a primeira missão tripulada do programa Gemini, que também contou com Gus Grissom. Mesmo com toda a excitação, o senso de obrigação ainda era mais forte. “Estávamos apenas pensando em fazer o trabalho direito”, ele comentou.

Comandou a Gemini 10, em julho de 1966. Ele e o piloto Michael Collins realizaram manobras da Gemini com dois veículos alvo Agena e Collins fez uma caminhada espacial para recuperar um detector de micrometeoritos de um deles.

13-s66-42777a
John Young e Mike Collins, tripulantes da Gemini 10, no convés do USS Guadalcanal após a amerrisagem, em 21/06/1966 (Foto: NASA)

A Lua  Em maio de 1969, Young serviu como piloto do Módulo de Comando da Apollo 10 e voou até a Lua com Tom Stafford and Gene Cernan. Eles avaliaram locais de pouso a partir da órbita e fizeram manobras com os Módulos Lunar e de Comando em um ensaio geral para a histórica Apollo 11, que ocorreu dois meses depois.

Ele retornou à Lua como comandante da Apollo 16, em abril de 1972. Com Ken Mattingly na órbita, no Módulo de Comando, Young e o piloto Charlie Duke alunissaram na região de Descartes. A dupla montou equipamento científico e explorou o planalto com um jipe, no qual Young dirigiu mais de 25 quilômetros. A missão trouxe cerca de 100 kg de rochas colhidas em três excursões geológicas.

“A Lua é um lugar muito legal”, disse o astronauta, que aposentou-se da Marinha em 1976 como Capitão. “Quando pousamos, estávamos 20 minutos atrasados. Porque o tempo na Lua era tão precioso, o que me lembro mais é de tentar compensar.”

602735main_johnyoung_large_full1
John Young na superfície da Lua (Foto: NASA)

Shuttle  O momento de pioneirismo mais notável de sua carreira viria em abril de 1981, ao comandar o Columbia na primeira missão de um Ônibus Espacial, a STS-1. Foi a primeira vez que uma espaçonave tripulada foi testada no espaço sem voos não tripulados prévios. O comandante da missão e o piloto Robert Crippen cumpriram mais de 130 objetivos de teste durante a missão de quase 55 horas.

Em 1983, Young comandou também a primeira missão do Spacelab, também com o Ônibus, STS-9. No voo de 10 dias, seis tripulantes tripulantes trabalharam em mais de 70 experimentos em várias disciplinas científicas. A missão retornou mais dados científicos e técnicos do que os programas Apollo e Skylab juntos.

O céu  Foram 835 horas no espaço, sendo que passou três noites na Lua. E ele ainda fez parte de cinco tripulações de reserva, estando pronto para substituir um colega assim que necessário. John Young foi a única pessoa a ir ao espaço pelas naves Gemini, Apollo e Ônibus Espacial e a primeira a ir ao espaço seis vezes.

144819main_sts1_crew_full
Tripulação da STS-1: John Young e Robert Crippen (Foto: NASA)

Em 1973, foi nomeado chefe da seção do Ônibus Espacial no escritório de astronautas no Centro Espacial Johnson, em Houston. No ano seguinte, tornou-se chefe do escritório – posto que manteve até 1987. Durante todo este tempo, ele permaneceu elegível para comandar missões do Ônibus Espacial.

Recebeu mais de 80 honrarias e prêmios, incluindo quatro títulos honorários de doutor. Em 1988, foi incluído no Hall Nacional da Fama da Aviação. Ao aposentar-se da NASA, em 2004, ele ainda era incapaz de escolher seu momento mais especial nesta trajetória. “Tive sorte, eu acho.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s