Problema foi detectado na noite de quarta. Não há risco para tripulação.

Por volta das 20h (de Brasília) de quarta-feira (29/082018), controladores da Estação Espacial Internacional (ISS) no Controle de Missão, em Houston, Estados Unidos, e no Centro Russo de Controle de Missão, próximo a Moscou, detectaram um pequeno vazamento de ar no complexo orbital.

Conforme monitoravam os dados, concluíram que não havia perigo para os tripulantes e tomaram a decisão de permitir que a Expedição 56 dormisse. Quanto a tripulação foi despertada no horário habitual no dia seguinte, os controladores começaram os procedimentos para determinar o local do vazamento.

O comandante da estação, Drew Feustel, os engenheiros de voo Ricky Arnold e Serena Auñón-Chancellor, da NASA, Alexander Gerst, da Agência Espacial Europeia (ESA), e Oleg Artemyev e Sergey Prokopyev da Agência Federal Espacial Russa (Roscosmos), se reuniram no segmento russo da ISS e, após verificações extensivas, relataram que o vazamento parece estar no lado russo da estação.

“Tivemos uma situação de emergência na ISS hoje à noite: um vazamento de oxigênio e uma queda na pressão. Medidas foram tomadas […] e a tripulação americana se reuniu no segmento russo”, declarou Dmitri Rogozin, diretor da Roscosmos, citado pela Ria Novosti. Segundo ele, a causa provável foi um “impacto com um meteorito”.

Autoridades do programa e controladores de voo continuam a monitorar a situação enquanto a tripulação realiza os procedimentos de pesquisa de panes (troubleshooting).

Feustel, Arnold e Artemiev estão a bordo da ISS desde 21 de março. Em 8 de junho, Prokopiev, Auñón-Chancellor e Gerst chegaram à plataforma orbital.